MENU

Poema

On the Road to the Sea - Charlotte Mew

We passed each other, turned and stopped for half an hour, then went our way,
I who make other women smile did not make you--
But no man can move mountains in a day.
So this hard thing is yet to do.


On the Road to the Sea - Charlotte Mew - Poema

We passed each other, turned and stopped for half an hour, then went our way,
I who make other women smile did not make you--
But no man can move mountains in a day.
So this hard thing is yet to do.

But first I want your life:--before I die I want to see
The world that lies behind the strangeness of your eyes,
There is nothing gay or green there for my gathering, it may be,
Yet on brown fields there lies
A haunting purple bloom: is there not something in grey skies
And in grey sea?
I want what world there is behind your eyes,
I want your life and you will not give it me.

Now, if I look, I see you walking down the years,
Young, and through August fields--a face, a thought, a swinging dream
perched on a stile--;
I would have liked (so vile we are!) to have taught you tears
But most to have made you smile.




To-day is not enough or yesterday: God sees it all--
Your length on sunny lawns, the wakeful rainy nights--; tell me--;
(how vain to ask), but it is not a question--just a call--;
Show me then, only your notched inches climbing up the garden wall,
I like you best when you are small.

Is this a stupid thing to say
Not having spent with you one day?
No matter; I shall never touch your hair
Or hear the little tick behind your breast,
And as a flying bird
Brushes the branches where it may not rest
I have brushed your hand and heard
The child in you: I like that best
So small, so dark, so sweet; and were you also then too grave and wise?
Always I think. Then put your far off little hand in mine;--
Oh! let it rest;
I will not stare into the early world beyond the opening eyes,
Or vex or scare what I love best.
But I want your life before mine bleeds away--




Here--not in heavenly hereafters--soon,--
I want your smile this very afternoon,
(The last of all my vices, pleasant people used to say,
I wanted and I sometimes got--the Moon!)

You know, at dusk, the last bird’s cry,
And round the house the flap of the bat’s low flight,
Trees that go black against the sky
And then--how soon the night!

No shadow of you on any bright road again,
And at the darkening end of this--what voice? whose kiss? As if you’d say!
It is not I who have walked with you, it will not be I who take away
Peace, peace, my little handful of the gleaner’s grain
From your reaped fields at the shut of day.

Peace! Would you not rather die
Reeling,--with all the cannons at your ear?
So, at least, would I,
And I may not be here




To-night, to-morrow morning or next year.
Still I will let you keep your life a little while,
See dear?
I have made you smile.


On the Road to the Sea - Charlotte Mew - Poema - Tradução em Português

Passamos um pelo outro, viramos e paramos por meia hora, depois seguimos nosso caminho,
           Eu que faço outras mulheres sorrirem não te fazem
Mas nenhum homem pode mover montanhas em um dia.
                  Então, essa coisa difícil ainda está para fazer.

Mas primeiro eu quero sua vida: - antes que eu morra eu quero ver
                  O mundo que está por trás da estranheza dos seus olhos
Não há nada gay ou verde lá para minha reunião, pode ser,
                             No entanto, em campos marrons há mentiras
Uma flor roxa assombrosa: não há algo no céu cinzento?
                      E no mar cinza?
                  Eu quero o mundo lá atrás dos seus olhos
                  Eu quero sua vida e você não vai me dar.

                 Agora, se eu olhar, vejo você andando pelos anos,




                 Jovem, e através de campos de agosto - um rosto, um pensamento, um sonho balançando
                               empoleirado em um stile--;
                  Eu teria gostado (tão vil que somos!) De ter te ensinado lágrimas
                   Mas a maioria te fez sorrir.
                 Hoje não é suficiente ou ontem: Deus vê tudo
Seu comprimento em gramados ensolarados, as noites chuvosas de vigília; Conte-me--;
                   (que vaidoso perguntar), mas não é uma questão - apenas uma chamada -;
Mostre-me então, apenas as suas polegadas entalhadas subindo a parede do jardim,
                     Eu gosto mais de você quando você é pequeno.

                                   Isso é uma coisa estúpida para dizer
                                  Não tendo passado com você um dia?
                  Não importa; Nunca vou tocar no seu cabelo
                   Ou ouvir o pequeno carrapato atrás de seu seio
                                   E como um pássaro voador
                  Escova os ramos onde não pode descansar
                 Eu escovei sua mão e ouvi
               A criança em você: eu gosto disso
Tão pequeno, tão escuro, tão doce; e você também era muito sério e sábio?
                  Sempre penso. Então coloque sua pequena mão longe na minha;




                         Oh! deixe descansar;
Eu não vou olhar para o mundo antigo além dos olhos abertos,
                 Ou vex ou assustar o que eu mais amo.
                  Mas eu quero sua vida antes que a minha sangre ...
                      Aqui - não nos celestiais daqui a pouco - em breve,
                      Eu quero seu sorriso esta tarde,
                 (O último de todos os meus vícios, pessoas agradáveis ​​costumavam dizer,
                     Eu queria e às vezes tenho - a lua!

                      Você sabe, ao entardecer, o último grito de pássaro,
                  E contorne a casa com a ponta do vôo baixo do morcego
                     Árvores que ficam negras contra o céu
                 E então - quanto tempo a noite!

          Nenhuma sombra de você em qualquer estrada brilhante novamente,
E no final escuro disso - que voz? cujo beijo? Como se você dissesse!
Não sou eu que andei contigo, não serei eu quem levo embora
                  Paz, paz, meu pequeno punhado de grãos do catador
                 De seus campos colhidos no fim do dia.




                Paz! Você não preferiria morrer?
                  Enrolando, com todos os canhões ao seu ouvido?
                Então, pelo menos, eu
                   E eu posso não estar aqui
                   De noite, amanhã de manhã ou no próximo ano.
                  Ainda vou deixar você manter sua vida um pouco
                      Veja querido?
                    Eu fiz você sorrir.



More by SANDERLEY

TRENDS - SONG LYRICS
Radar by Sanderlei
Everything in the musical world / Tudo que rola no mundo musical / ทุกอย่างในโลกดนตรี / Все в музыкальном мире / 音楽界のすべて.

Just Go - Viagem Volta ao Mundo
#JustGo - Sanderlei Silveira